sexta-feira, 30 de maio de 2008

Venceu a Vida! Supremo libera pesquisas com células-tronco embrionárias

Fita dupla de DNA(A Molécula da Vida)

Por seis votos contra cinco, STF decide que Lei de Biossegurança não fere a Constituição.
Iniciado em março, julgamento foi retomado na quarta-feira e só concluído
nesta quinta.

Por seis votos contra cinco, o Supremo Tribunal Federal (STF) liberou nesta quinta-feira (29) as pesquisas científicas com células-tronco embrionárias sem nenhuma restrição, como previsto na Lei de Biossegurança.

O julgamento começou em março. A discussão foi interrompida por um pedido de vista do ministro Carlos Alberto Menezes Direito. Na quarta (28), o tema voltou à pauta do STF. Depois de quase 11 horas, o julgamento foi novamente suspenso e concluído nesta quinta, após quase cinco horas de sessão

. Aprovada pelo Congresso Nacional em 2005, a Lei de Biossegurança foi alvo de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) do então procurador-geral da República, Cláudio Fonteles. Ele alegou que a legislação fere a proteção constitucional do direito à vida e a dignidade da pessoa humana. Para Fonteles, a vida humana começa com a fecundação.

Ao encerrar a discussão, o presidente do Supremo, Gilmar Mendes, disse que o julgamento era um “marco”. "É em momentos como este que podemos perceber que a aparente onipotência do tribunal constitucional não pode restringir o legislador”, declarou.

Após o resultado, o mais antigo ministro do Supremo, Celso de Mello, explicou que não será preciso nenhuma regulamentação extra no texto da lei. “O tribunal confirmou a inteira validade do artigo 5º da Lei de Biossegurança e liberou as pesquisas, observados os limites estabelecidos pelo próprio artigo”, resumiu.

A lei prevê que os embriões usados nas pesquisas sejam inviáveis ou estejam congelados há três anos ou mais e veta a comercialização do material biológico. Também exige a autorização do casal.

“Esse foi um julgamento histórico, em que o tribunal discutiu os limites entre a vida e morte. São questões que interessam à generalidade das pessoas”, comentou o decano, que votou pela liberação dos estudos nesta quinta.

Último dia

Nesta quinta, quando o julgamento foi concluído, votaram os ministros Marco Aurélio Mello, Celso de Mello e o presidente do Supremo, Gilmar Mendes.

Nossa opinião: Desejamos parabenizar a todos que lutam pela vida e sua manutenção, com qualidade. Devemos saber, ou aprender, nem que seja, à duras penas, aceitar diferenças, até porque, o planeta lindo em que vivemos é rico em biodiversidade. Queremos dizer com tudo isso, que venceu o amor, o bom senso, a responsabilidade, a ciência, o progresso, enfim, o ser humano! Bjs à todos! Estamos juntos!



quinta-feira, 29 de maio de 2008

Rádio 1530 AM Cabo Frio/Búzios, Continua na Prevenção à Dengue.

(Fêmea do Aedes aegypti realizando postura de ovos, acima do nível da água)



Amanhã 30/05, o Biólogo Carlos Simas estará a convite da Rádio 1530 AM, Estúdios Cabo Frio/Rj, sendo entrevistado sobre Dengue, das 16 às 18 horas, pelos radialistas Cacau e Marion. Será uma extensão da participação do biólogo, respondendo a perguntas de ouvintes do "Programa Búzios em Foco", nos estúdios da rádio em Búzios, com as radialista Neusa Moraes e Elaine Moraes.Participaram também a época, o reporter Walace Júnior, Gilberto Lessa, Silvinha e Oselma, ambas da associação de mulheres de Búzios entre muitos convidados que participaram durante as 24 horas em que o programa esteve ininterruptamente no ar. Programa denominado "24 horas de prevenção à dengue" e que mobiliza toda a sociedade na prevenção à doença. Participe!
www.cabofriobuzios.com.br

quarta-feira, 28 de maio de 2008

STF Decide Hoje Uso de Células Tronco Embrionárias


Foto G1/JN/STF

Cármen Lúcia vota a favor de pesquisas com células-tronco

STF vai decidir se libera estudos com células embrionárias.
Menezes Direito votou a favor dos estudos, desde que não haja destruição dos embriões.

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia votou pela autorização das pesquisas com células tronco-embrionárias. O STF retomou nesta quarta-feira (28) o julgamento da ação contrária aos estudos.

O tribunal vai decidir se libera o uso de células-tronco embrionárias em pesquisas científicas - como permite a Lei de Biossegurança. Ela foi alvo de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) do então procurador-geral da República, Cláudio Fonteles.

Cármen Lúcia argumentou que a Lei de Biossegurança prevê que as os embriões usados devem necessariamente ser inviáveis ou estarem congelados há pelo menos três anos. E que, por isso, não haveria violação à Constituição, como alegado na ação julgada.

“Não vejo violação do principio à vida neste caso”, disse. “Não cabe aqui uma declaração de inconstitucionalidade”, disse. “A sua utilização [dos embriões] conforma-se aos cuidados da lei. Não há que se falar em arbítrio”, complementou.

“Calar, embaraçar ou impedir qualquer linha de pesquisa, aí sim, significaria um constrangimento inadmissível à vida, à saúde, à liberdade de informar e ser informado. A não-pesquisa é a certeza de ausência de resultado”, destacou a ministra.

Cobaias

Em sua longa explanação, que durou cerca uma hora e 15 minutos, Cármen Lúcia fez ressalvas quanto a terapias sem comprovação científica. Ela avaliou que isso seria o mesmo que usar pessoas como “cobaias”. “Não há pesquisas assentadas em sólidas bases científicas. Elas não podem ser ainda validadas para fins de terapia, pois seria mera experimentação.”

“Seria auto-oferta do cidadão como animal nobre, o que não é compatível com a dignidade humana”, complementou. Ela também disse que, apesar da grande expectativa em torno do tema, não se deve concluir que o Supremo possa ser o “bálsamo curador” de pessoas com doenças graves. “Não há que se confundir esperança de cura com ilusão de imediata cura”, acrescentou.

Logo no início de sua fala, Cármen Lúcia ressaltou que a questão religiosa não estaria em jogo. “A Constituição é nossa Bíblia, o Brasil é nossa religião. A ciência é neutra e o Direito, imparcial”, disse. “É só com compromisso com a Constituição que atua este tribunal. Neste e em qualquer julgamento”, complementou.

Votos

Ainda faltam votar os ministros Ricardo Lewandowski, Eros Grau, Joaquim Barbosa, Cezar Peluso, Marco Aurélio Mello, Celso de Mello e o presidente do Supremo, Gilmar Mendes. Já a ex-presidente do STF, ministra Ellen Gracie, e o ministro Carlos Ayres Britto, relator da ação, já tinham se posicionado a favor das pesquisas, em março.

O
ministro Carlos Alberto Menezes Direito, que tinha pedido vista da ação, votou a favor das pesquisas científicas com células-tronco embrionárias, mas estabeleceu condições para isso, como vedar a destruição de embriões.

Menezes Direito estabeleceu diversas condições para as pesquisas, como considerar que os embriões “inviáveis” sejam aqueles “insubsistentes por si mesmos”, ou seja, uma interpretação mais rígida do que previsto na Lei de Biossegurança. Os embriões inviáveis, na avaliação dele, seriam aqueles que estão há mais de 24 horas sem se reproduzir.

O ministro concorda com pesquisas com embriões considerados viáveis – desde que não haja destruição deles, retirando células embrionárias sem danificá-los. Ele ressaltou que a fertilização in vitro deve ser entendida como “modalidade terapêutica para a cura da infertilidade do casal”, devendo ser proibida a seleção de sexo ou características genéticas e realizada a fertilização de, no máximo, quatro óvulos por ciclo.

Menezes Direito também defendeu a fiscalização de institutos de pesquisa e serviços de saúde. Ele estabeleceu, ainda, que, mesmo após três anos de congelamento, a retirada de células do embrião só poderá ocorrer sem a destruição dele.

Acrescentou ainda que os pais devem dar consentimento por escrito “informado e prévio” sobre todo o processo e que as pesquisas terão que ser apresentadas previamente a órgãos de controle, resultando em crime caso contrário.

O que está em jogo

As células-tronco embrionárias são tão cobiçadas pelos cientistas pelo fato de que podem se transformar em qualquer um dos tecidos do corpo. Dessa maneira, elas são uma esperança de tratamentos para enfermidades hoje intratáveis, como mal de Parkinson e diabetes.

No futuro, essas células poderiam até oferecer um meio de produzir órgãos completos para transplantes. Mas hoje as pesquisas ainda estão em sua infância -- os pesquisadores ainda lutam para aprender a manipular essas células e curvá-las à sua vontade.

A controvérsia vem do fato de que as células-tronco embrionárias normalmente não podem ser obtidas sem a destruição dos embriões que as originam. Há técnicas, hoje, que levantam a hipótese de que no futuro não será mais preciso destruí-los para obter linhagens viáveis das cobiçadas células-curinga. Existem também pesquisas alternativas, envolvendo a reprogramação genética de células adultas, que podem frutificar e ter o mesmo potencial das células embrionárias. Mas o sucesso dessas linhas de pesquisa depende da continuidade dos estudos com embriões

No mundo, a maioria dos países não faz restrição às pesquisas. Nos EUA, há conservadorismo com relação a que verbas podem ser aplicadas nos estudos, mas existe permissão para pesquisar. Entre os países europeus, a Itália anda na contramão do continente e veta as pesquisas. No Reino Unido, em contrapartida, estudos nessa direção estão sendo agressivamente perseguidos. O Brasil depende da resolução do impasse no Supremo Tribunal Federal para se posicionar.

Nossa opinião: por Carlos Alberto Simas Borges,

Desejo parabenizar a ministra e mais de meio planeta que hoje concebe a idéia do uso terapeutico de células tronco embrionárias. Países muçulmanos como o Irâ, são exemplos de que a cabeça precisa se abrir no enfrentamento de doenças, principalmente as degenerativas, que só quem têm, ou possui parente doente, pode fazer idéia do que seja. Portanto, não tolham nossos cientistas brasileiros na busca do alívio aos que padecem, por favor!

www.biologocarlossimas.blogspot.com

Essa foi e é nossa opinião enviada ao Blog do G1 as 15:30 horas de hoje e publicado em Substância humana naquele veículo de comunicaão de massa no país, respeitadas evidententemente, todas as opiniões.

Fonte: G1


sábado, 24 de maio de 2008

Entrevista na TV Litoral, Canal 11 Cabo Frio/Rj, com o Biólogo Carlos Simas Foi Show!














(Click sobre as fotos para ampliar)



Convidado pelo Programa “Farofa Com Caviar”, da TV Litoral, canal 11, Cabo Frio/Rj, o Biólogo Ambiental Carlos Simas


compareceu nesta quinta feira, dia 22/05 às 23 horas, para falar sobre a atual situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro, Brasil e mundo, já que devido ao aquecimento global, o Aedes aegypti, está chegando a locais antes inimagináveis, para seu habitat.


Exemplo, são países da Europa, como a Suíça. O Aedes aegypti é oriundo da África (Egito) e por isso não suporta temperaturas muito baixas. Por isso, países frios, até então, não apresentavam infestação desses Culicídeos, porém agora, a Suíça e toda a Europa, já sofrem as conseqüências do aquecimento global, com a presença do vetor da Dengue. Dessa forma, há pessoas doentes com Dengue agora, naquele e outros países de primeiro mundo da Europa.

O programa "Farofa com Caviar" é um programa líder de audiência na região, que traz informações, prendendo a atenção do telespectador por meio do humor. Os apresentadores Ernesto Bianch (que nos convidou), sempre de branco, já que também é massoterapeuta profissional (e-mail: ebmassagens@hotmail.com) e Dom Ratão( apresenatador oficial do programa) cabeludo (de chapéu vermelho), são figuras folclóricas que levam o público à alegria geral no horário.


Sóme-se a isso o “Homem Aranha Gay”, figura mais que folclórica, estabanada mesmo, que arranca sorrisos, principalmente, do público jovem e infantil, prende a atenção, e informa com respeito e educação, por meio dos apresentadores.


A equipe técnica está de parabéns; câmeras, programadores, estagiários, o diretor Fábio, enfim, à todos que nos receberam com o maior carinho e respeito, só nos resta dizer: estamos ao inteiro dispor da Sociedade para servirmos, com amor, profissionalismo e muita dedicação. Estamos juntos! Mande-nos e-mails : simasborges@yahoo.com.br


Um grande beijo no seu Coração!

Muito Obrigaduuuuuu!









Biólogo Carlos Simas em entrevista sobre a Dengue nos estúdios da Tv Litoral, com os apresentadores Ernesto Bianch e Dom Ratão(chapéu vermelho), no meio a estagiártia do programa.









Biólogo Carlos Simas sendo entrevistado pelo apresentador Ernesto Bianch, ao fundo o Homem aranha sempre atento aos perigos da dengue.











Biólogo Carlos Simas falando aos apresentadores Ernesto Bianch(de branco) e Dom Ratão(chapéu vermelho) tendo ao fundo o Homem aranha, com o folder da Dengue.






Parte especial em que os apresentadores decidem congelar o bumbum do homem Aranha à pedido do telespectador mirim. Foram só risos !

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Rede Litoral de Comunicação/TV Litoral Canal 11/Programa "Farofa com Caviar."

O Biólogo Especialista em Controle de Pragas Urbanas, Carlos Simas, foi convidado a participar, nesta quinta feira, dia 22/05 na TV litoral canal 11 em Cabo Frio/Rj, do programa, “Farofa Com Caviar” às 23 horas. A direção do programa preocupada com a questão epidemiológica da dengue, que avança por todo o país, convidou o profissional, no intuito de participar, como multiplicador de uma maior conscientização ambiental, enquanto canal fechado de TV. (TV a cabo). O ex ministro do Meio Ambiente, deputado federal Sarnei Filho em entrevista recente na TV Educativa Canal 02(20/05), dissera: “As questões ambientais ainda passam longe da mídia popular, apesar de se iniciar uma discussão, em virtude do tema ser cobrado no mundo inteiro, principalmente em relação a Amazônia brasileira, que é o ventilador do mundo.” Parabéns à Rede Litoral, canal 11 e principalmente à direção do Programa, "Farofa com Caviar.” Isso também é “Responsabilidade Sócio Ambiental.” Você de Cabo Frio/Rj, sintonize o canal 11 e quem mora fora em todo país, acesse: www.redelitoral.com.br/canal11

Participe! muito obrigado e um forte abraço à você e família!

Biólogo Ambiental Carlos Simas


terça-feira, 20 de maio de 2008

Rio e municípios da Baixada promovem ação conjunta contra a dengue



RIO DE JANEIRO (Agência Brasil), 20 de maio - Pela primeira vez, a prefeitura do Rio de Janeiro vai promover uma ação conjunta com os municípios de Duque de Caxias, São João de Meriti, Nilópolis, Nova Iguaçu, Seropédica e Itaguaí voltada ao combate da dengue. Nesta terça (20) e quarta-feira (21), agentes de saúde realizam uma série de atividades em diferentes pontos da divisa do Rio com essas cidades.

Serão instalados nos municípios estandes educativos com microscópios que mostrarão a evolução do mosquito da dengue, além de materiais informativos sobre a doença. Haverá ainda ações operacionais em que os agentes de saúde vão vistoriar imóveis nessas cidades.

De acordo com o coordenador municipal de Controle de Vetores, Mauro Blanco, as atividades educativas e operacionais são fundamentais para o controle da doença. “De 80% a 90% dos focos estão dentro das residência. Então, é muito importante a participação das pessoas e é importante também o poder público estar procurando transmitir essas mensagens educativas. Além disso, também executamos ações operacionais, chamadas de visitas domiciliares, nas quais os profissionais entram de casa em casa, eliminam criadouros, mostram às pessoas como os criadouros podem ser eliminados e transmitem mensagens de prevenção.

O município do Rio já vem realizando há algum tempo mutirões comunitários contra o mosquito.

Fonte Site: Click 21

Nossa Opinião: Nunca é demais lembrar que sempre foi nosso lema, essas ações desenvolvidads só agora, pelos governos , sobretudo os Municipais, mas como o filósofo já dizia: "Antes tarde que nunca". São ações que podem promover um bloqueio intermunicipal e até quem sabe, interestadual, já que o controle do Aedes aegypti, não é responsabilidade de apenas uma esfera de governo e sim de todos! Tomara que por aqui na região dos lagos, consigamos fazer o mesmo, pelo menos aqui em Búzios, se têm articulado ações elogiáveis, como a que ocorreu no dia de hoje, 20/05, quando fui convidado(biólogo Carlos Simas) a participar de uma reunião com nosso diretor de Saúde Coletiva, Dr Sandro Caffaro, na Secretaria de serviços públicos, com Senhor secretário Gurgel e seu assistente Senhor Eduardo. Participaram ainda dessa reunião, nosso superintendente de Vigilância Sanitária Senhor Wilson Brasil e nosso chefe de operações em controle de vetores, Senhor Edem. A reunião objetiva uma articulação mais efetiva entre secretarias, visando a melhoria de qualidade de vida à polulação, sobretudo ao que tange a limpeza urbana, já que uma cidade limpa, é sinônimo de Saúde, isso só é possível por meio de articulação entre governo e sociedade. Parabéns à todos ! Quem ganha? toda Sociedade, pois "Quem salva uma vida, salva o mundo inteiro."(Ditado judeu.")


sábado, 17 de maio de 2008

Formigas 'loucas' invadem computadores no Texas


formiga2.gif (6868 bytes)

Elas se movimentam de forma desorganizada e foram vistas na região pela 1ª vez em 2002. 'Invencíveis', esses insetos são atraídos por aparelhos eletrônicos.

formiga-louca (Paratrechina longicornis)


Saiba mais

Um grupo de formigas que aparentemente chegou ao Texas (EUA) em um navio cargueiro se espalhou pelas casas e escritórios de Houston, comprometendo o funcionamento de computadores. Além de se alimentar de plantas e outros insetos, como joaninhas, essa espécie morde humanos e é atraída por equipamentos elétricos, por um motivo que os cientistas ainda desconhecem.

Essas formigas do gênero Paratrechina são chamadas de crazy rasberry – “crazy” (louca) por não andarem em filas e “rasberry” em homenagem a Tom Rasberry, um exterminador que travou uma batalha contra elas. Como têm esse gosto exótico para formigas, elas já fizeram alarmes de incêndio disparar, invadiram um medidor de gás doméstico e também bombas usadas no esgoto. Os insetos “loucos” já foram encontradas no centro Johnson Space, da Nasa, e perto do aeroporto Hobby, mas não causaram danos nesses locais.

“Elas são criaturas muito pequenas, do tamanho de pulgas, e estão em todos os lugares. Há milhares e milhares delas. Se você já viu uma corrida de carro, pode imaginar como elas são. Elas caminham rápido, rápido, rápido. São loucas”, afirmou Patsy Morphew, de Pearland, que constantemente varre as crazy rasberry do quintal e as remove de sua piscina.

Elas se espalharam por cinco regiões de Houston desde a primeira vez que foram vistas no Texas, em 2002. Os cientistas não sabem dizer de onde elas vieram, mas suas primas – as chamadas “formigas loucas” – são encontradas na região do Caribe. “Seria praticamente impossível erradicá-las, pois elas já estão muito espalhadas”, afirmou Roger Gold, entomologista (especialista em insetos) da Universidade Texas A&M.

Os exterminadores de insetos dizem que as “vítimas” – estejam elas em residências ou empresas ficam frustrados – ficam frustradas, pelo fato de as formigas serem resistentes a inseticidas. “A população cresceu de maneira tão intensa que produtos esses produtos simplesmente não fazem efeito”, afirmou Jason Meyers, estudante de doutorado dessa mesma universidade, que está escrevendo uma dissertação sobre essas formigas.

E quando se trata das crazy rasberry, não basta matar a rainha. Especialistas afirmam que cada colônia têm várias dessas líderes, que precisam ser eliminadas. Quando os exterminadores conseguem matá-las, as sobreviventes ainda tiram vantagem da situação, empilhando as formigas mortas e criando uma “ponte” para atravessarem superfícies com pesticida. O departamento de agricultura do Texas trabalha junto à Universidade Texas A&M para encontrar maneiras de deter esses insetos.


Nossa opinão: A
formiga-louca (Paratrechina longicornis) é comum no Brasil, inclusive na região dos lagos, onde vivemos, possui pequenas colônias, com várias rainhas. Normalmente estas formigas fazem seus ninhos na área externa, principalmente em calçadas ou em telhados, pois a temperatura é alta e adequada para o desenvolvimento da cria. Os ninhos também podem ser encontrados no solo, sob objetos em material depositado no chão, tais como pedaços de madeira e também nas fendas entre calçadas e paredes. No Brasil é comum e apresenta difícil controle, por possuir várias rainhas de substituição, fraguimentação da colônia, quando de um controle mal projetado, além das condições sanitárias precárias, já que a espécie é onívora,(se alimenta de quase tudo, inclusive gotas de refrigeramtes que sobrem em embalabens), têm sido fonte de infecção hospitar por carrear vários microoganismos patogênicos(causadores de doenças)

Controle: Manter quintal e residência limpos, vedar frestas em paredes e azulejos e pisos, não deixar louças na pia, de um dia para o outro, manter lixo bem vedado e não permitir acúmulo, só coloca-lo para o serviço de recolhimento próximo ao horário de coleta, corrigir quaisquer vazamentos de água na residência. Como qualquer praga precisa para reprodução de: Água, Abrigo e Alimento, esses cuidados são suficientes para a desestabilização da colônia. No caso de infestação dentro de aparelhos eletro-eletrônicos a colônia precisará ser retirada manualmente. Só em último caso se deve contratar empresa para desinsetização e a mesma deve possuir registro na FEEMA-RJ, ou órgão legal da sua cidade. Forte abraço!

Fonte G1

Biólogo Ambiental Carlos Simas


Foto: AP








terça-feira, 13 de maio de 2008

Exclusivo: Ocorreu o que se temia, entrou vírus 4 da Dengue no Brasil

Estudo identificou versão do vírus que tinha desaparecido do país em doentes de Manaus.
Presença das quatro variantes do causador da doença aumenta risco de infecção grave.
http://saudeonline.files.wordpress.com/2007/10/aedes-aegypti-2.jpg
(Aedes aegypti)

Exames de sangue feitos em Manaus mostram que a dengue tipo 4,uma variante dessa doença viral que não era identificada no Brasil desde 1982, está de volta ao país. Embora a infecção por essa forma do vírus (o DENV-4, como o chamam os especialistas) não seja, por si só, muito agressiva, o retorno dela é, ainda sim, uma má notícia para a saúde pública brasileira. Isso porque as pessoas que já tiveram alguma das outras três formas da dengue não estão imunes contra o DENV-4 -- e a reinfecção com a doença aumenta a chance de que elas desenvolvam a forma hemorrágica da doença, muito mais letal.

A descoberta está descrita num artigo na edição de abril da revista científica "Emerging Infectious Diseases", assinado por uma equipe de pesquisadores do Amazonas. Segundo a primeira autora do estudo, Regina Maria Pinto de Figueiredo, da Fundação de Medicina Tropical do Amazonas, a identificação do DENV-4 em três pacientes que vivem e trabalham em Manaus não deixa margem para dúvidas.

"Essas primeiras amostras vieram de pessoas que não tinham viajado para fora do país. Mas, depois disso, achamos um paciente que tinha estado na Venezuela", conta a pesquisadora. A conexão com o país caribenho faz sentido quando se leva em conta o fato de que essa forma da dengue é endêmica -- ou seja, bastante comum -- tanto no território venezuelano quanto no colombiano. É a segunda vez que o DENV-4 é isolado no Brasil -- antes disso, tal variante do vírus havia sido encontrada no ano de 1982, em Roraima.

Da malária à dengue

Para chegar à identificação, os pesquisadores analisaram o sangue de pacientes com sintomas que, inicialmente, lembravam os da malária. "Existe uma semelhança nos sintomas das duas doenças e, na fundação, costumamos usar isso para ajudar na triagem dos possíveis pacientes de dengue", explica pesquisadora.

A presença do DENV-4 -- em um dos pacientes, já convivendo com o DENV-3, ou tipo 3 do vírus -- foi confirmada por meio de anticorpos específicos dessa forma do parasita e também pela análise do material genético viral (que, diferentemente do nosso, se resume ao RNA, a molécula-irmã do DNA).

Por enquanto, há poucos indícios de que o DENV-4, sozinho, seja capaz de causar muito estrago. Na Colômbia, por exemplo, é mais comum que as pessoas com DENV-2 desenvolvam dengue hemorrágica. O problema, lembra Figueiredo, "é que a nossa população já foi infectada amplamente com os outros tipos do vírus". No caso da dengue, trata-se do pior dos mundos: se por um lado o sistema de defesa do organismo já possui uma "memória" da infecção pela doença, o efeito de um novo subtipo do vírus é exacerbar a resposta defensiva de forma que favorece justamente o aparecimento da dengue hemorrágica.

Quais as chances de o DENV-4 se espalhar para o resto do Brasil? Altas, diz acreditar a pesquisadora. "É muito comum o pessoal daqui [de Manaus] ir passar férias na Bahia e no Rio de Janeiro. E também há muitos turistas de outras regiões que visitam Manaus." Bastaria uma picada de mosquito para passar a infecção adiante. Um evento, aliás, que já pode ter acontecido -- embora o DENV-4 só tenha sido flagrado agora, não dá para garantir que ele não esteja circulando há mais tempo pelo Brasil.

Fonte: G1


Marina Silva, ministra do Meio Ambiente, pede demissão

13/05/2008 18:34:18

RIO DE JANEIRO (Da Redação Click21), 13 de maio – A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, pediu demissão nesta terça-feira. A carta formalizando o pedido foi entregue ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

De acordo com a assessoria da ministra, a decisão é irrevogável.

Marina Silva, que está no ministério desde o início da gestão de Lula, em 2002, estava tendo conflitos com a Casa Civil e com o Ministério da Agricultura.

O Planalto ainda não disse se aceita a demissão.


Nossa opinião: É lamentável a saída da ministra Marina Silva, não porque, seja insubstituível e sim por que, vinha realizando um excelente trabalho a frente da sua pasta (ministério do meio ambiente) e isso incomoda aquelas pessoas, que não têm compromisso com a população, com a verdade e com a justiça. Com certeza a demarcação da reserva Raposa Serra do Sol, no Pará, interesses contrariados de madeireiros na Amazônia brasileira,MS, corrupção e suborno de autoridades ambientais etc, contribuiram muito para isso. Hoje 13 de maio, quando se comemoram 120 anos de libertação do negro à escravidão, uma negra, mas honrada ministra, competente em seu trabalho, como o são, nossas valiosas mulheres brasileiras, cai atingida pelos grilhões do poder econômico tirano. Vamos continuar lutando ministra e acreditando que o grito de Zumbi, no quilombo de palmares, não foi em vão! Estamos juntos!

Fonte: Site click 21

domingo, 11 de maio de 2008

Crise de alimentos fará do Brasil 'celeiro do mundo', avaliam especialistas


Colheita de trigo no Brasil: país ainda depende das importações do produto para abastecer seu mercado (Foto: José Luiz da Conceição/Ag. Estado)

A crise alimentícia que tem trazido preocupação ao mundo mostra-se uma boa oportunidade para o crescimento do agronegócio brasileiro.

Segundo especialistas em economia agrária ouvidos pelo G1, o país é uma das nações mais preparadas para suprir a atual escassez de alimentos – ganhando mercados e lucros para seus agricultores no processo.

“Somos o principal beneficiário dessa conjuntura”, afirma Marcos Fava Neves, professor de estratégia do curso de Administração da USP.

“Hoje, já somos líderes mundiais na produção de diversos produtos agrícolas, como carne bovina, suco de laranja e soja. Amanhã, o Brasil poderá ser o celeiro do mundo, a solução do problema da inflação dos alimentos”, proclama.

"Estamos vindo de uma safra muito boa, rentável ao produtor, com muito investimento em tecnologia. Isso implica aumento de produtividade e dá uma boa perspectiva", confirma Ana Laura Menegatti, analista da consultoria MB Agro.

Safra recorde

A previsão da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) é que, neste ano, a safra atinja um recorde de 142,03 milhões de toneladas de grãos colhidos. Esse volume representa um crescimento de mais de 120% em apenas dez anos – a safra 1997/1998 foi de 76,558 milhões de toneladas de grãos.

Ainda assim, as perspectivas são de forte incremento da produção. O país tem cerca de 400 milhões de hectares de terras aráveis. Desse espaço, apenas cerca de 60 milhões de hectares são hoje destinados à agricultura.


"Entre os grandes produtores, o Brasil é o que tem mais área potencialmente arável. Pode crescer tanto por incorporação dessas áreas, onde o país tem vantagem, como por aumento de produtividade. O Brasil pode se destacar em agricultura", diz Ana Laura.


A lista mostra os dez países com maior quantidade de terra arável no mundo.

Segundo Fava Neves, o potencial de crescimento da agricultura brasileira é amplo. “Temos 120 milhões de hectares que podem ser incorporados à produção agrícola sem qualquer dano ambiental. Temos também um clima muito favorável para a agricultura e água abundante – um recurso cada vez mais escasso no mundo hoje”, lista.

Além disso, também há o interesse dos investidores externos pelo Brasil. “Somos hoje o mercado para o qual os investidores mais olham. Temos uma quantidade enorme de investidores que querem colocar dinheiro na nossa agricultura”, diz o professor da USP.

Segundo ele, cerca de 4 milhões de hectares dos campos agrícolas brasileiros já são de propriedade de grupos estrangeiros.

Tecnologia

Nos últimos dez anos, a área plantada no Brasil cresceu pouco menos de 35%. Nesse período, a produtividade cresceu de 2.187 quilos por hectare, na safra de 1997/1998, para uma previsão 3.026 dez anos depois – uma mostra do aumento do uso da tecnologia nas culturas.

Roosewelt Pinheiro/Agência Brasil

Embarque de soja em Rondônia: segundo analistas, Brasil pode se tornar o celeiro do mundo. (Foto: Roosewelt Pinheiro/Agência Brasil)

"O agronegócio vem passando por intenso processo de profissionalização, que é intimamente ligado à melhoria de produtividade", diz a analista da MB Agro. A tecnologia usada nas lavouras de soja, por exemplo, é considerada de ponta, permitindo produtividade tão boa quanto a norte-americana.

“Temos espaço, clima e tecnologia. Acredito que, se fizermos todo o trabalho certo, poderemos dobrar nossa produção agrícola e triplicar as exportações do agronégócio (hoje na casa de US$ 50 bilhões anuais) no período de cinco a oito anos”, prevê Fava Neves.

Substituição de pastagens

Os especialistas entendem que a melhor perspectiva de crescimento para o agronegócio brasileiro está na substituição de pastagens pela lavoura. A área destinada a pastagens é três vezes a utilizada pela agricultura. "Nossa pecuária é extensiva. Se for intensificada, libera mais áreas para plantio de grãos, sem redução de nenhum dos dois produtos", diz Ana Laura.

Saiba mais, click no link G1 em nossa página.

Uma parte considerável dessas pastagens hoje se encontra em processo de degradação, por falta de manejo adequado, sem capacidade de produzir forragem suficiente para suportar uma quantidade razoável de animais.

"Podemos introduzir algumas tecnologias que permitam recuperação dessas áreas, e seria possível produzir mais bovinos em área menor, destinando uma parte dessa área para produção de grãos, alimentos", diz Kepler Euclides Filho, engenheiro agrônomo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

"A gente sabe que tem área que está sendo usada abaixo do seu potencial produtivo. Então, nosso crescimento não implica necessariamente plantar onde não pode, mas fazer um melhor aproveitamento dos recursos já disponíveis", concorda Ana Laura.

Produção e consumo

A preocupação dos organismos internacionais, no entanto, é que esse crescimento não seja suficiente. Em 2006, puxada pela melhora das condições de vida nos países em desenvolvimento – especialmente China e Índia -, a demanda mundial dos principais grãos ultrapassou a produção.

Zhao Yingquan/Xinhua/AE

Agricultor em plantação de arroz na China: país é o maior produtor mundial do grão. (Foto: Zhao Yingquan/Xinhua/AE)

O caso mais emblemático é o do milho. O consumo mundial de quase 722 milhões de toneladas do produto no ano superou as 689 milhões de toneladas produzidas – e reduziu os estoques globais em cerca de 27%. O fato de cerca de 30% da produção americana de milho ter sido desviada para a fabricação de etanol também teria pesado nessa conta, de acordo com os especialistas. O mundo também produziu menos soja, arroz e trigo do que foi consumido.

E o mercado interno brasileiro, pode ser afetado por essa inflação mundial? Dificilmente, segundo Fava Neves. “Nossa produção ainda é muito superior à demanda nacional”, afirma. No entanto, ele ressalva que a situação pode ser diferente para alguns produtos nos quais o Brasil é dependente do mercado externo – em especial o trigo, commoditie na qual o país é um dos maiores importadores do mundo.

Obstáculos

Para conseguir alcançar esse cenário positivo, no entanto, é preciso que o país supere uma série de barreiras.

“É preciso romper as travas administrativas e ideológicas do governo para que dinheiro de fora entre logo aqui, para resolver nossos problemas de logística e infra-estrutura”, diz Fava Neves.

Segundo ele, o principal problema nacional seria o “péssimo” estado em que se encontram portos e estradas. Essa degradação causaria a perda de uma fração considerável da produção ao longo do caminho até os consumidores, sejam do Brasil ou do exterior.

"A infra-estrutura, sem dúvida, ainda é um grande gargalo que tem que ser resolvido no futuro próximo se a gente deseja ser o celeiro do mundo", concorda Ana Laura, da MB Agro. "Tem regiões no Mato Grosso, por exemplo, onde por causa do custo ainda não compensa produzir", relata.

Os altos preços dos insumos agrícolas também freiam a expansão da produção. O Brasil ainda importa cerca de 80% dos fertilizantes que usa – e os preços vêm batendo recordes mês após mês. “Se aumentar muito nossa produção, pode faltar fertilizante”, adverte o professor da USP.

Fonte: G1

Nossa opinião: Todos nós brasileiros, do mais culto ao mais humilde, sabe que nosso país é rico em terras férteis, é o maior país da América do sul e um dos maiores do mundo, o que mais possui água no planeta, possui um clima privilegiado, com as quatro estações do ano bem definidas e têm um povo inteligente, bonito de coração e trabalhador. Portanto, Senhores governantes, o que falta, para nos tornarmos uma potência mundial, inclusive em alimentos, biocombustíveis etc é o que o presidente Lula falou ontem, quando da assinatura do PAC, na Bahia: "O nível de instrução é importante sim, porém, infinitamente mais importante que isso é a inteligência e honestidade para com nosso povo. Todos, lá fora, inclusive, sabem disso! Não é a toa que já na década de 70, a então primeira ministra da Inglaterra, Margaret Thatcher dissera: Poucos empresários do Brasil, poderiam pagar sua dívida externa e ainda sobraria uma fortuna para cada brasileiro...isto é, se o governo do Brasil fosse sério! Ainda o demoníaco, mas inteligente(lamentavelmente para o mal) Adolf Htler, teria planos em capturar ao final, o Brasil e transforma-lo no celeiro do mundo.

"Autoridades- Guardadas as devidas proporções, o povo não é mais inocente e ingênuo, portanto chega de conversa fiada e vamos agir"!

Ainda palavras do presidente Lula na Bahia: "Não é possível que os ricos, fiquem cada vez, mais ricos e os pobres, cada vez mais pobres"!

Biólogo Ambiental Carlos Simas










sábado, 10 de maio de 2008

Aveia Contra o Colesterol


A vontade de mudar tem que partir de cada um de nós. Mas como reencontrar o caminho de uma vida mais saudável?

Que tal começar com alguns alimentos baratos, fáceis de encontrar? A pedido do Globo Repórter, uma das principais universidade do país fez a lista dos sete alimentos mais importantes na prevenção de doenças.

Foi muito trabalho extra nos finais de semana, mas a recompensa veio logo. O médico Renato Romani, coordenador da pesquisa, comprovou na prática o efeito poderoso de um alimento funcional, para espanto de muita gente.

"Eu duvidava! Na verdade, era uma pesquisa. Colaboramos com a pesquisa e deu certo! Tanto que hoje em dia eu falo para todo mundo comer aveia se estiver com o colesterol alto porque funciona”, comemora a secretária Rosana Afonso.

Rosana comeu aveia todos os dias durante um mês. E, sem mudar mais nada na rotina, conseguiu baixar 38 pontos na taxa do mau colesterol. A experiência foi compartilhada por mais de 120 pessoas que participaram da pesquisa do Centro de Medicina de Atividade Física do Esporte da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Em Riacho Grande, um bairro da cidade de São Bernardo do Campo, moram 4,5 mil pessoas. Jeitinho de cidade do interior, mas cara de metrópole quando se trata da saúde da população: 12% estavam com o colesterol alto quando o médico decidiu fazer o estudo.

"Associando colesterol alto com pressão alta e obesidade, o risco de o coração falhar ou de ter um problema cardíaco é muito grande", explica Renato Romanai.

Para ser eficiente, a aveia tem que ser consumida todos os dias. E basta o equivalente a meio copo. Pode ser no leite, na sopa, misturada a qualquer alimento. E como dona Helena, o filho dela, o chaveiro Ademacir Aparecido de Melo, também não foi persistente. Ele esqueceu a aveia assim que a pesquisa acabou. Resultado: colesterol nas alturas e risco cardíaco tratado com remédio de farmácia.

"Comprei 90 cápsulas e paguei R$ 28. A caixa da aveia está R$ 1,50 com 400 gramas. Já estou pensando em comer aveia", diz Ademacir.

Hoje em dia, saúde é muito mais uma questão de disciplina do que de falta de informação. As pesquisas estão aí para comprovar. No caso de Riacho Grande, a aveia baixou o colesterol em 75% dos participantes da pesquisa.

"Isso é excelente! Imaginar que a aveia é um alimento, não é uma medicação, e que ela faz parte de um grupo de alimentos considerados funcionais – ou seja, podem fazer parte da dieta sem maiores preocupações – e ainda conseguir melhorar o seu colesterol é um resultado impressionante", avalia Renato Romani.

Alimento funcional era um conceito restrito aos laboratórios até bem pouco tempo. Mas de dez anos para cá, milhares de estudos saíram das universidades e quase sempre eles dizem que olhar para trás pode ser o caminho a seguir.

"A gente precisa resgatar aqueles alimentos que no passado já se conhecia como bons alimentos. Arroz, feijão e aveia, por exemplo", afirma Gláucia Pastore, cientista de alimentos da Universidade de Campinas (Unicamp).

Nesse resgate do que é bom, a pesquisadora-chefe elaborou uma lista de alimentos que são naturalmente remédios: soja, aveia, peixe, brócolis, alho, castanhas e açaí. Além desses, existem dezenas de alimentos funcionais, é claro. Mas a lista da Unicamp destaca os sete mais poderosos de tudo o que foi pesquisado até agora.

"Eles vão tornar as pessoas mais capazes de resistir aos diversos tipos de problema, ter uma vida mais saudável, estar mais produtivas e envelhecer menos rapidamente", diz Gláucia Pastore.

Para garantir o bom colesterol, nada melhor do que comer peixe de duas a três vezes por semana e, de preferência, sardinha ou salmão.

Para baixar o mau colesterol, meio copo por dia de aveia, como dito na pesquisa feita em São Bernardo do Campo.

Leite, queijo e carne, sendo de soja, dá para comer à vontade, sem culpa, porque fazem bem.

Minerais importantes, como selênio e zinco, são garantidos com pequenas porções de castanhas ou nozes.

Junto com repolhos e couves, o brócolis lidera o trabalho de limpeza das toxinas em nosso organismo.

O açaí, frutinha típica da Região Norte, tem até dez vezes mais antioxidantes do que outras frutas.

Mas a lista tem um item um tanto "polêmico" ao paladar.

"Acho que o alho é um legado das gerações passadas que a gente precisa prestar ainda mais atenção. Ele é antiinflamatório, pela sua composição, e também um normalizador da pressão arterial", explica Gláucia Pastore.

E quanto mais cru melhor para a nossa saúde. Que aventura! Gostando ou não, tem um jeitinho para começar.

Uma hora no forno, e o alho bem assado até fica com um gostinho adocicado. Na panela, a dica é apenas dourar. Se deixar torrar, fica muito amargo. E, por último, um conselho que vem junto com a lista dos poderosos funcionais.

"O alimento funcional tem que estar presente com constância na dieta. Não é o tipo de alimento que você ingere hoje e amanhã esquece e espera que os resultados aconteçam", alerta Gláucia Pastore.

Fonte: Globo.com


sexta-feira, 9 de maio de 2008

Genótipo de agente da tuberculose encontrado no Rio pode ter virulência maior

Microrganismo causador da Tuberculose


Um terço dos casos de tuberculose ocorridos na cidade do Rio de Janeiro entre 2002 e 2003 foi causado por cepas de Mycobacterium tuberculosis que apresentam um genótipo particular e que podem ter virulência diferente do normal. A descoberta foi feita por um recente estudo realizado pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC) da Fiocruz, em parceria com pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos. Durante a pesquisa, identificou-se uma "família" de linhagens do bacilo, chamada RDRio, tendo em comum a perda de uma grande fração do DNA de uma bactéria ancestral, num processo chamado deleção. Esta é a maior deleção já encontrada entre as variedades de M. tuberculosis no mundo que pode ter conseqüências para a transmissão e o combate à doença, que ainda estão sendo estudadas. Apesar dos dados analisados serem referentes a 2002 e 2003, os pesquisadores acreditam que a proporção de casos causados pela cepa se mantém estável.



Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a tuberculose registra cerca de 9 mil casos anuais no Rio de Janeiro. A principal causadora da doença é a bactéria M. tuberculosis, que tem suas linhagens diferenciadas por pequenas alterações do DNA. Tais modificações podem ocorrer através de inserções, inversões, duplicações e vários outros eventos genéticos. A variedade RDRio, encontrada pelos pesquisadores, tem sua origem numa recombinação homóloga, que gerou uma deleção única, com a perda de cerca de 0,5% de todo seu genoma.

"Já foram encontradas linhagens com outras deleções prevalentes em outras regiões do mundo, por exemplo, na África do Sul, mas nunca apresentando uma deleção ou uma prevalência deste tamanho", explica o pesquisador Philip Suffys, do Laboratório de Biologia Molecular Aplicada a Microbactérias do IOC, responsável por parte da caracterização deste genótipo no Brasil. "Essas diferenciações acontecem por acaso, mas sua sobrevivência até hoje e sua expressividade indicam que a perda deste pedaço considerável de material genético lhe dá alguma vantagem competitiva", diz ele.

Suffys afirma que ainda é cedo para saber detalhes sobre a virulência, disseminação ou sintomas causados por este genótipo. Porém, explica que o estudo, publicado na edição de dezembro da revista Journal of Clinical Microbiology, apontou que entre os genes pertencentes à deleção havia dois do tipo conhecido como "PPE" (Proline-Proline-Glutamic acid), além de outros com função metabólica ou ainda desconhecida. "Os genes PPE são geralmente associados com variabilidade na apresentação de antígenos durante a resposta imune", conta Suffys. "A ausência destes genes poderia tornar estas cepas menos visíveis por nosso sistema de defesa".

Presença da bactéria no território brasileiro pode ser maior

O pesquisador considera que mais testes são necessários para que se determinem as diferenças que essa deleção pode trazer para a bactéria. "Ainda estamos na fase inicial das testagens, não há dados conclusivos para sabermos se sua virulência foi alterada", explica.

Apesar do grande número de casos relacionados à infecção por este genótipo de M. tuberculosis no Rio de Janeiro, Suffys afirma que sua origem e distribuição ainda precisam ser esclarecidas. Ela faz parte de um grupo de linhagens de M. tuberculosis denominado Latin American Mediteranean (LAM), muito comum em outras partes do Brasil e do mundo. "Apesar de ser denominada RDRio, é possível que ela apareça em outros pontos do território brasileiro, onde talvez seja ainda mais disseminada do que no Rio de Janeiro", o especialista pondera. "Outras linhagens desse grupo já foram observadas dentro e fora do Brasil e temos evidências preliminares de que o mesmo ocorre nesse caso".

Caso essa previsão se confirme, de acordo com o pesquisador, será necessário ter mais atenção quanto à utilização de novas formas de diagnóstico da tuberculose. Suffys explica que, nesse caso, será preciso tomar cuidado para que eles não sejam baseados em informações contidas em trechos de DNA que façam parte da deleção da linhagem RDRio. "Essa deleção supostamente não terá muita influência em relação à imunização, pois acredita-se que a vacina BCG não funciona somente à base de um pedacinho do DNA, mas estimula o sistema imune utilizando parte considerável do genoma", explica o pesquisador. "O que poderia ser mais importante é uma virulência maior da cepa RDRio o que levanta a hipótese de tornar a vacinação menos eficiente ou causar uma doença de forma clínica mais agressiva", conclui.

Abandono do tratamento é amplo e preocupa

A tuberculose é uma doença infecto-contagiosa, causada pela bactéria M. tuberculosis, que atinge principalmente o pulmão, mas pode afetar outros órgãos, como rins e meninges. Ela é transmitida de forma direta, de pessoa para pessoa, através do ar ou de objetos contaminados. Os principais sintomas, que no inicio podem ser fracos e dificultar o diagnóstico, são tosse persistente, com ou sem catarro, febre, principalmente à tarde, sudorese noturna, falta de apetite e emagrecimento. O diagnóstico é feito através do exame do escarro e de raio-x do tórax do paciente. Apesar de ser 100% curável se tratada no início, o índice de abandono do tratamento, realizado com antibióticos, é grande, por ser um processo longo, em que os sintomas regridem logo nos primeiros meses. Por isso, é importante que os pacientes procurem ajuda médico logo e só parem o tratamento após a liberação do médico. A vacina BCG, que deve ser aplicada ao nascer e protege, principalmente, contra formas mais graves da doença. O Brasil ocupa hoje, segundo a Organização Mundial da Saúde, a 15ª posição entre os 22 países com maior numero de casos de TB no mundo.

Fonte: Portal Fiocruz