domingo, 19 de abril de 2009

Parceiros Científicos Nos Alimentos Sanavita

www.saudeevidanatura.com.br
 
A qualificação e o compromisso de nossos parceiros na aprovação científica dos produtos Sanavita contribuem na garantia de um padrão superior, do início do desenvolvimento e fabricação de nossos alimentos até as mãos do consumidor final. As análises nutricionais e químicas que atestam a qualidade dos nutrientes e componentes ativos naturais de nossos produtos são realizadas nos mais avançados laboratórios do Brasil e do mundo. Entre outras universidades, pesquisadores e instituições que estão ligadas a projetos científicos desenvolvidos com a Sanavita estão a ESALQ-USP, o HC-FMUSP e a FUGESP. Sanavita/Saúde & Vida Natura Alimentos funcionais na prevenção e controle de doenças Dra. Andrea Dario Frias * Vários fatores tem sido relacionados ao aparecimento de doenças no organismo humano, dentre eles, a herança familiar, o fumo, o sedentarismo e o stress. Entretanto, a alimentação é talvez uns dos mais importantes, havendo uma estreita relação 

(Farinha de Linhaça Dourada-Enriquecida com ômega3)

entre o alimento que nós comemos e a nossa saúde. Os maus hábitos alimentares como o excessivo consumo de gorduras, principalmente saturadas, excessivo consumo de açúcar e sal e, ainda, o baixo consumo de amido e fibras dietéticas tem originado elevada incidência de doenças crônico degenerativas entre as pessoas, especialmente doenças cardiovasculares, câncer, diabetes e obesidade. Atualmente, essas doenças são responsáveis por cerca de 70-80% da mortalidade nos países desenvolvidos. Como exemplo da importância do papel da dieta na nossa vida podemos citar o fato de 1/3 dos casos de câncer estarem relacionados aos maus hábitos alimentares e que os mesmos são responsáveis por 90% dos casos de obesidade. Mas não é só isso. Estima-se hoje também que mais de 30% da população brasileira apresenta altos níveis de colesterol (>200mg/dL), sendo que taxas acima de 240mg/dL aumentam em duas vezes o risco de se sofrer um ataque cardíaco. Além da relação com as doenças crônicas, há fortes evidências também do papel da dieta em melhorar a performance mental e física, retardar o processo de envelhecimento, auxiliar na perda de peso, na resistência às doenças (melhora do sistema imunológico), entre outros. Por todos esses motivos, a frase \"Let food be the medicine and medicine be the food\" (que resumidamente quer dizer faça do alimento o seu medicamento) exposta por Hipócrates a cerca de 2500 anos atrás, está recebendo interesse renovado. Mais do que nunca as pesquisas e os estudos estão mostrando o quanto é importante o papel de certos alimentos na nossa vida. Orientar as pessoas a comerem o alimento mais adequado e em quantidades adequadas tem sido uma constante em vários trabalhos científicos. O papel dos alimentos funcionais O fato de que os alimentos podem influenciar a saúde e o comportamento das pessoas, está cada vez mais claro neste final de século. Além de fornecer uma fonte de calorias e nutrientes para nosso organismo, nos últimos 10 anos alguns alimentos tem ganhado uma dimensão extra. Além de satisfazer nossas necessidades nutricionais básicas, alguns alimentos podem apresentar um benefício fisiológico adicional, que geralmente é determinado pela presença de componentes ativos. Esses componentes ativos ao atuarem sobre nossos sistemas imunológico, endócrino, nervoso, circulatório e digestivo, contribuem para a manutenção da nossa saúde e prevenção de uma ampla gama de doenças. Esses alimentos recebem hoje a designação de \"alimentos funcionais\". Os alimentos funcionais são geralmente classificados desta forma: 1. Alimentos in natura. Vários alimentos naturais são hoje considerados importantes na prevenção e controle de doenças. Como exemplo podemos citar: • soja (componente ativo = isoflavonas) • tomate (componente ativo = licopeno) • crucíferas: brócolis, couve flor, repolho, etc. (componente ativo = glicosinolatos) - alho (componente ativo = alicina) • aveia (componente ativo = b - glucana) • peixes, óleos de peixes e certas algas marinhas (componente ativo = ômega-3) 2. Alimentos processados sem adição de ingredientes funcionais. Alimentos processados pela indústria com o próprio alimento in natura que contém componentes ativos e é considerado funcional. Exemplos: • cereais de farelo de aveia (ricos em b - glucana) • alimentos a base de soja, carne de soja, tofu, tempeh, etc (ricos em isoflavonas) • molho de tomate, suco de tomate, etc (ricos em licopeno) 3. Alimentos processados com adição de ingredientes funcionais. Alimentos processados pela indústria onde são adicionados componentes ativos de outros alimentos funcionais. Exemplos: • leites e iogurtes enriquecidos com ômega-3 existente em peixes e algas • margarinas enriquecidas com fibras existente em cereais, gomas, etc. O papel dos consumidores É consenso hoje que a maioria das pessoas gostariam de consumir dietas mais saudáveis, mas muitos, entretanto, querem fazer isso sem mudar seus padrões alimentares. Por isso é que atualmente observamos no mercado uma grande quantidade de alimentos com características nutricionais alteradas, mas com atributos sensoriais sem mudanças. Um exemplo disto são os produtos \"light\" (com menos gordura) e alimentos fortificados (enriquecidos com vitaminas e minerais). O interesse por uma alimentação mais saudável por parte dos consumidores vem crescendo ano a ano. É cada vez maior o número de pessoas que acreditam que os alimentos podem ter um impacto importante em sua saúde. Por isso, o maior desafio dos pesquisadores e da indústria de alimentos funcionais é proporcionar conhecimento aos consumidores acerca de tais alimentos específicos. Embora o consumidor esteja mais informado hoje em dia sobre a importância da alimentação em suas vidas, eles não sabem exatamente como os alimentos funcionais diferem dos outros produtos convencionais, o que eles podem oferecer para sua saúde ou que estes produtos podem ser consumidos como parte de suas dietas sem haver a necessidade de supervisão médica. Os pesquisadores e a própria indústria alimentícia têm intensificado a pesquisa e produção de alimentos funcionais pelas seguintes razões: - Os consumidores querem prevenir, preferencialmente do que curar doenças; - Os consumidores querem diminuir os gastos médicos; - Os consumidores estão mais cientes da ligação entre saúde e nutrição; - Os consumidores querem envelhecer com saúde (qualidade de vida); - Os consumidores querem neutralizar os danos que o meio ambiente causa como poluição, microorganismos e químicos na água, ar e alimentos; - As evidências científicas sobre a eficiência dos alimentos funcionais estão cada vez mais crescentes. O papel da indústria de alimentos A indústria de alimentos tem desenvolvido e introduzido um grande número de produtos alimentares que, de um modo ou de outro, são supostamente mais saudáveis e mais nutritivos do que os produtos alimentares convencionais. Entretanto, em muitos casos é preciso ter cuidado. Muitos alimentos que estão chegando às prateleiras dos supermercados com várias alegações de saúde (por exemplo, que ajuda no controle do colesterol) muitas vezes não se prestam para tal. Precisamos ficar mais atentos e informados para podermos discernir o bom alimento funcional daquele que simplesmente contém o componente ativo em tão pequena quantidade, que muitas vezes o consumidor precisará consumir litros ou quilos do alimento para usufruir dos seus benefícios. Portanto, o papel da indústria alimentícia hoje, diante de tão grande expectativa por parte das pessoas, é tornar acessível a todas elas alimentos que quando consumidos em pequenas quantidades tragam benefícios à sua saúde. Ao mesmo tempo, essa mesma indústria que produz e comercializa deve investir parte de seu capital em pesquisa, de forma que todos atributos de efeitos ou propriedades benéficas alegados no rótulo possam ser realmente demonstrados. Não tenho dúvidas que quando isso ocorrer, o que veremos nas prateleiras serão alimentos sérios, que realmente cumprem o que alegam no rótulo. A partir de então, mesmo pagando mais caro pelo alimento funcional em questão, o consumidor poderá ter a certeza de que não está sendo enganado, ao contrário, só estará trazendo benefícios a sua saúde. Com a conscientização de todos, indústria e consumidores, o futuro do nosso país será um batalhão de pessoas saudáveis, livres do câncer e de outras doenças que nos aterrorizam neste início de século. 

* Dra Andréa Dario Frias é pesquisadora e coordenadora do Centro de Pesquisa Sanavita

Fonte: Site Sanavita
www.saudeevidanatura.com.br

Nenhum comentário: