terça-feira, 5 de outubro de 2010

Sarney defende recriação da SUCAM para combater a Dengue.

"Quem Salva Uma Vida, Salva o Mundo Inteiro"

(Ditado Judeu)
















Esse tema, Dengue, volta ao nosso Blog em bom momento, já que de janeiro a junho deste ano, mais de 800.000 casos da doença foram diagnosticados no Brasil. Como a maior parte da população não comparece ao serviço de saúde, quando dos sintomas, poder-se-ia multiplicar essa estatística por quatro, no mínimo.


Temos certeza, que nossa Dilma, como presidenta, reavaliará o trabalho da Dengue e melhorará o serviço, implementando-o. Não se poderia confiar o mesmo a José Serra, que em 30 de junho de 1999, demitiu injustamente mais de 5.000 mata mosquitos, deixando o país relegado ao Aedes aegipty( mosquito da Dengue).


O senador Sarney (PMDB-AP) recebeu em seu gabinete, representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Combate às Endemias e Saúde Preventiva (Sintsaude) do estado do Rio de Janeiro. Os sindicalistas Sandro Cezar, Rogério Reis e José Ribamar apoiaram o pronunciamento feito em Plenário pelo senador , sobre necessidade da recriação da Superintendência de Campanhas de Saúde Pública (Sucam) para reforçar o combate à dengue.

A Sucam foi incorporada em 1990 à Fundação Nacional de Saúde (Funasa). Para Sarney, quando a Sucam e seu "exército de mata-mosquitos" atuavam, o controle de endemias e epidemias era mais bem executado no país.
 

- Pode ser até um tipo de romantismo da minha parte, mas aquilo deu bons resultados. Temos que pensar em medidas consagradas, como uma campanha nacional de saneamento - disse no pronunciamento, relembrando a "vitória transitória" sobre a dengue entre 1986 e 1987, durante sua gestão como presidente da República.

Fazendo um histórico da evolução da doença, o senador comentou, também no pronunciamento, que em 1955 a dengue foi dada como nacionalmente extinta, reaparecendo no Pará em 1967, e no Rio de Janeiro em 1977. Depois da extinção da Sucam, os casos de dengue subiram de 100 mil em 1990, para 360 mil em 1998 e 430 mil em 2007.

- Este ano, os números apurados até agora são alarmantes - avaliou.
Da Redação / Repórter da Agência Senado(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)


Nossa Opinião:

De fato, uma estrutura federal única e organizada, como era a antiga SUCAM, teria bem mais condições de prestar um serviço de qualidade, no cambate às Endemias, como foi o próprio exemplo, quando antes da descentralização da Saúde (1988) a Sucam com seus agentes, comprometidos com o Serviço público Federal, trabalhavam de sol a sol, e quantas epidemias esses agentes evitaram que ocorressem no país, tais como: dengue, malária, cólera, leishmanioses etc.

Subiam em caixas dáguas, entravam em terrenos baldios furando depósitos, como latinhas que pudessem acumular água, com uma pequena ferramenta pontiaguda, chamada picadeira, eram disciplinados e se sentiam responsáveis perante a sociedade.

Pelo menos em relação às endemias, a municipalização dos serviços de combate a Dengue, não deu certo, portanto, Senador Sarney, pode contar com o apoio incondicional e irrestrito da Sociedade, para mudanças que melhorem a saúde, para a população.

Um comentário:

laurentino disse...

GOSTEI DA PROPOSTA DO SARNEY, ISSO INFLUI EM DOIS ASPECTOS: PRIMEIRO, AJUDA CONSIDERAVELMENTE AO COMBATE A DEGUE; SEGUNDO, QUE ALMETA, TAMBEM, A O NUMERO DE EMPREGOS COM CONCURSOS PARA O BRASIL.


LAURENTINO BISPO
BRISA Informatica
Itanhem-ba.