sábado, 4 de junho de 2011

Bombeiros detidos após invasão de quartel entram em greve de fome.


Segundo o comando da greve, todos os militares presos aderiram à decisão; o grupo foi levado para a Corregedoria, em São Gonçalo


Compartilhar:


Os bombeiros militares do Rio de Janeiro presos após a invasão do quartel-general da corporação entraram em greve de fome, segundo um dos comandantes da greve, Cabo Benevenuto Daciolo.


“Convocamos toda a população do estado do Rio de Janeiro contra este crime que está sendo feito contra os bombeiros militares do Estado e contra este governo ditatorial do senhor Governador Sérgio Cabral. Somos trabalhadores e entramos em uma unidade militar aonde trabalhamos”, disse o cabo.

Ele confirmou ainda que uma mulher, esposa de um militar que estava dentro de uma unidade e que está grávida, passou mal na invasão e perdeu a criança. Ela foi levada para o hospital da corporação no bairro do Rio Comprido, na Zona Norte da cidade, aonde está sendo atendida.

Os bombeiros foram presos após confronto com as forças do Batalhão de Choque e do Bope no início deste sábado. Há pouco, eles foram conduzidos de ônibus do Batalhão para a Sede da Corregedoria, em São Gonçalo.

Foto: iG

Ônibus deixa o Batalhão de Choque com os bombeiros presos

Mais cedo, os militares confirmaram que bombeiros de folga e familiares estão sendo convocados pela direção da greve a ocuparem quartéis em todo o Estado do Rio de Janeiro. O movimento é uma represália à prisão dos militares que invadiram o quartel-general na noite de ontem. Segundo os militares, somente casos de extrema emergência estão sendo atendidos, como acidentes de trânsito e incêndios.

Governo

O governador do Rio, Sérgio Cabral, está reunido desde as 8 horas da manhã deste sábado com assessores no Palácio Guanabara, para fazer um diagnóstico do confronto. Cabral montou um gabinete de crise para avaliar a situação e dará uma entrevista coletiva sobre o assunto.


Fonte:

iG Rio de Janeiro | 04/06/2011 11:59

*Com reportagem de Anderson Ramos, especial para o iG


Nossa opinião:

Nosso mais profundo repúdio à ação, mais que desastrosa do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, que ordenou ação firme do BOPE, nesta madrugada contra Bombeiros militares e suas famílias, ocasionando ferimentos em mulheres e crianças, esposas e filhos menores dos nossos bravos Bombeiros, que reinvindicam, nada mais justo que salários dignos e melhores condições de trabalho, para servir com mais eficiência a população.

É hora do trabalhador, seja militar ou civil, deselvolver ação firme, corajosa, e sem retroceder um milímetro sequer, contra esses déspotas que assumem governos, não para governar para o bem comum, e sim em causa própria.

Estamos com os companheiros Bombeiros militares, estamos com o trabalhador, para a construção de um país mais justo, fraterno e soberano, para todos os brasileiros.

Vamos todos juntos!


Professor e Biólogo Ambiental Carlos Simas


quinta-feira, 2 de junho de 2011

PRODUÇÃO DE ENERGIA DO LIXO SERÁ PRÉ-REQUISITO PARA LICENÇA DE ATERRO.


Programa de emprego verde, indicadores ambientais, mercado de carbono e incentivos fiscais são as principais ferramentas contra a crise ambiental que a Secretaria de Estado do Ambiente apresentou, nesta quinta-feira (02/06), durante reunião do Fórum Permanente de Desenvolvimento Estratégico do Estado do Rio de Janeiro. O Governo também aproveitou a ocasião para falar sobre a nova política de incentivo para a modernização dos aterros sanitários. "Estamos prevendo acabar com todos os lixões. Para isso, temos o programa Lixão Zero, onde buscamos soluções de disposições adequadas. Para grandes aterros sanitários, já estamos colocando no licenciamento ambiental a obrigação de que parte desse lixo tenha tratamento de eficiência energética", assegurou o subsecretário do Ambiente, Luiz Firmino.


Ouça na Rádio Alerj: http://radioalerj.posterous.com/producao-de-energia-do-lixo-sera-pre-requisit


Ele explicou que o estado, dentro da concepção de economia verde, está desenvolvendo um edital que envolveria recursos do Fundo de Conservação Ambiental (Fecam) e do Fundo Clima, para desenvolver a eficiência energética vinda do lixo. "Esse edital levaria em conta que empreendimentos que ainda contam com aterros sanitários com tecnologia pouco eficiente possam investir em tecnologias, como reaproveitamento do lixo e do gás proveniente do lixo, biomassa e incineração térmica. O Governo iria financiar essa diferença de tecnologia", declarou. "Um aterro convencional gasta mais ou menos R$ 40 por tonelada de lixo. Na Europa, com o salto tecnológico, esse gasto saltou para R$ 150. Estamos estudando uma forma de incentivo, de maneira a ajudar o empresário a bancar essa diferença para implantar tecnologia parecida no Rio", comparou.

A economia verde será o grande foco da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, em 2012, batizado de Rio+20, em referência aos 20 anos que separam este evento da ECO 92, também realizada no Rio e tida como um marco no debate sobre os impactos ambientais no planeta. "O importante dessa reunião é que buscamos a integração das entidades que compõem o Fórum e o conhecimento a respeito do que o Governo está pensando para a Rio+20. A partir desse momento, em que se apresentam os projetos de economia verde e as ações que estão sendo desenvolvidas dentro do próprio estado, conseguiremos estabelecer parcerias para que elas tenham encaminhamento e sejam instituídas de uma forma mais ágil", comentou a secretária do Fórum, Geiza Rocha.

Como mais uma estratégia para desenvolver a qualidade de vida do cidadão fluminense, a Secretaria do Ambiente tem como meta chegar a 66% de tratamento de esgoto em todo o estado, até 2016, garantiu o subsecretário. Em 2007, o Rio contava com 25% de esgoto tratados. "Hoje, já existe uma evolução e o estado trata 33% do total de seu esgoto. O Governo lançou um programa que se chama Pacto Pelo Saneamento, que tem um de seus componentes voltado para o tratamento de esgoto. Já estão garantidos R$ 4 bilhões de investimentos para saltarmos de 33% para 66% até as Olimpíadas", comentou Firmino.

O superintendente de Economia Verde da Secretária de Estado do Ambiente, Walter Figueiredo, acredita que o planejamento deve ser global e não individualizado. "A Europa aumentou o rigor quanto às suas leis ambientais, e as indústrias foram para a China. Mudou alguma coisa? Não. A emissão de CO2 é uma conta mundial e, por isso, precisamos andar juntos, precisamos de leis mundiais", orientou Figueiredo. Também participaram do evento representantes da Federação das Indústrias (Firjan-RJ), da Federação dos Transportes (Fetranspor) e do Serviço de Apoio às Média e Pequenas Empresas (Sebrae/RJ).

Fonte:

(texto de Raoni Alves)



Pedro Motta Lima
Diretoria de Comunicação Social da Alerj
(21) 2588-1627 / 2588-1404
(21) 8681-0303
--
---------------------------------------------------------------------------------

Comunicação Social da Alerj
(21) 2588 1627
(21) 2588 1383


Nossa opinião:

"Demorou hein, para o encaminhamento de uma questão crucial para o desnvolvimento sustentado do Estado do Rio de Janeiro, em relação a uma política séria de descarte de resíduos sólidos (lixo).

O lixo sem tratamento é um grande contaminante, porém descartado de forma séria, produz grande riqueza, com a retirada do biogás( Metano Ch3), que serve até para movimentar veículos, e gerar energia, sem o risco de provocar ainda mais o aquecimento global. Num aterro sanitário, pode-se também implantar uma usina de compostagem, que é o sistema para se fazer adubo orgânico para a agricultura, sobretudo a familiar.

Dessa forma, dispensa-se maiores comentários quanto a lucratividade que se obtém do saneamento básico. Infelizmente, até hoje não houve interesse político, para tais projetos que seriam ótimos para os cofres públicos, e poderiam redundar em investimentos públicos para nossa população, sem a necessidade do absurdo de impostos que pagamos".

( Biólogo Ambiental Carlos Simas)