domingo, 15 de janeiro de 2012

Pesquisadores identificam compostos capazes de induzir mutações no DNA e provocar câncer.
















São Paulo – Diversos agentes químicos, como aldeídos presentes na fumaça do cigarro ou em poluentes urbanos e industriais, produzem uma série de compostos no organismo humano, conhecidos como adutos, que são capazes de induzir mutações no DNA e podem causar o desenvolvimento do câncer.
Para medir e quantificar esses adutos, que em níveis elevados estão associados a diversos tipos de câncer, pesquisadores do Instituto de Química (IQ) da Universidade de São Paulo (USP) estão utilizando técnicas ultrassensíveis como a espectrometria de massas.Alguns dos resultados do Projeto Temático, realizado com apoio da FAPESP, foram apresentados no 4º Congresso BrMASS, realizado pela Sociedade Brasileira de Espectrometria de Massas em dezembro, em Campinas (SP).
De acordo com Marisa Helena Gennari de Medeiros, professora do IQ e coordenadora do projeto, seu grupo de pesquisa tem conseguido detectar e quantificar adutos produzidos por aldeídos (eteno adutos) tanto em células humanas em cultura como em tecidos do fígado, cérebro e pulmão de ratos expostos à poluição.
“Dentre as técnicas que têm sido utilizadas, a espectrometria de massas é atualmente a mais importante e eficiente para se detectar como quantificar adutos no DNA”, disse.
Nossa opinião:
"Há poucos dias atrás, comentamos matéria parecida no Facebook e, dissemos que tanto a água que bebemos, o alimento, e o ar que respiramos estão envenenados e são agentes tranformadores do DNA; causadores de anomalias ou aberrações intra celular".
Biólogo Ambiental Carlos Simas

Um comentário:

hisuas disse...

Muito boa a matéria Simas. Merece aplausos.