segunda-feira, 3 de junho de 2013

Dia do Meio Ambiente: Búzios e Sua História.













Bob e a atriz na praia do Ossos in 1964.
























A antiga vila de pescadores entrou na rota do jet set internacional depois de uma visita da atriz Brigitte Bardot, nos anos 60. Hoje, o balneário é um dos destinos mais charmosos do país
Búzios tem sua origem em uma pequena aldeia que no passado foi povoada por índios, portugueses e piratas franceses. A aldeia também foi ponto de tráfico de escravos negreiros.


Mas foi a passagem da diva francesa, em janeiro de 1964, que colocou o vilarejo na rota do turismo internacional e do glamour. Desde então, suas praias ganharam destaque no mundo e a península foi batizada de "Saint-Tropez brasileira". Há décadas o balneário se sofisticou e ganhou fama por conta do charme de seu lifestyle e da agitada vida noturna.


No verão e nos feriados, o burburinho é intenso dia e noite. Já na baixa estação, Búzios é um paraíso perfeito para apreciadores da boa mesa, das artes e da natureza.
Antes de Brigitte


 Mick Jagger tocou para adolescentes in Búzios in 1976.




O charme e a beleza de Búzios é história antiga. O balneário já era frequentado pela alta sociedade carioca desde os anos 50 – a turma endinheirada chegava atrás dos encantos rústicos e da privacidade da pequena aldeia de pescadores. A viagem era uma aventura, feita por uma precária estrada de terra.


Brigitte chegou à vila em 64 trazida por seu então namorado brasileiro Bob Zagury. Em 76 foi a vez do vocalista dos Rolling Stones, Mick Jagger se esbaldar na aldeia, tocando violão na praia do Canto para os pescadores e um grupo de adolescentes cariocas – entre elas, a atriz Alexia Dechamps e a fotógrafa Olívia Guimarães. Exótico como sempre, Jagger chegou ao balneário em uma limusine, que por pouco não atolou nas ruas de areia da vila.


Arquitetura: estilo único

O charme de Búzios não é garantido somente por sua beleza natural. Espalha-se ainda por sua arquitetura, que segue um estilo único, a começar pela altura das construções - graças a uma lei de 1970, nenhuma pode ultrapassar dois andares.



 Casinhas de pescadores influenciaram construções





O estilo, que inclui ainda materiais rústicos e artesanais como a madeira, é observado nas casas de veraneio, nas pousadas e até mesmo no comércio em geral como nos restaurantes. O próprio pórtico de entrada da cidade exibe a marca registrada arquitetônica.


A tradição foi mantida, em parte, pela atuação de dois renomados arquitetos buzianos: Octávio Raja Gabaglia e Hélio Pellegrino. Nas obras assinadas pelos artistas – restaurantes Don Juan, Pátio Havana, Boom, Buzin entre outros – imperam as madeiras de demolição, os pés direitos altíssimos e a simplicidade charmosa da vila de pescadores que conquistou o mundo.


Outro belo - e singelo - exemplo da arquitetura local é a igreja de Sant'Ana, no topo de um outeiro na praia dos Ossos.
Assuntos Relacionados


Fonte: buziosonline



Nossa opinião:


Neste dia 05 de Junho, dia do Meio Ambiente, a população de Búzios-Rj reage à injusta agressão.


Demora-se anos, às vezes décadas para se construir uma grande história de sucesso e glamour, mas Búzios e seu povo primitivo, a maior parte de famílias de simples pescadores ( da qual com muito orgulho faço parte), que constituíam uma pequena vila, com muita dificuldade conseguiram.


Agora veja, com uma simples canetada, por alguns que não tem o mínimo compromisso com a vida e história de um povo, mas que foram eleitos por este mesmo povo, podem sim destruir toda uma história de luta e conquistas.


É exatamente isso que faz o PL de autoria do Governador Sérgio Cabral, PROJETO DE LEI Nº 2158/2013 que autoriza o Estado do Rio de Janeiro a disponibilizar verba no montante de R$ 11.500.000,00 (onze milhões e quinhentos mil reais) para a Prolagos fazer a transposição dos esgotos dos municípios de Iguaba Grande, São Pedro da Aldeia e da Lagoa de Araruama para o Rio UNA.


Ocorre que a foz do Rio UNA se localiza na praia da Rasa em Búzios-Rj. Na verdade o que sempre foi jogado na Laguna de Araruama-Rj, foi esgoto in-natura mesmo e não Efluentes, que é o que resta depois que o esgoto passa por tratamento, retirando toda sua carga orgânica.


Ou seja, depois de praticamente acabarem com aquele ecossistema lagunar, tentam recuperá-lo; miram então em uma nova vítima, ou seja, Búzios-Rj, pois os chamados “efluentes” que seriam transportados para o Rio UNA não são tratados nem em estágio terciário pela Prolagos.


Se não acredita nisto então veja por você mesmo no Blog da própria Prefeitura de Búzios-Rj:


Abaixo reprodução original que se encontra quase no meio da matéria no Blog da Prefeitura de Búzios-Rj:

Hoje, do esgoto captado pela ETE (Estação de Tratamento de Esgoto da Prolagos) de São José/ Bairro de Búzios, somente 40% é tratado em estágio secundário, indo o restante (cerca de 60% praticamente in natura) para os canais da Marina.



E nem precisaria está escrito, pois a natureza não se engana, se a Laguna de Araruama e vários outros ecossistemas da Região dos Lagos estão em estágios terminais é lógico que o esgoto não é devidamente tratado antes do seu despejo.


Aliás, gravíssimo do ponto de vista ambiental, pois é dito que em torno de 60% do esgoto, a Prolagos o joga diretamente no canal da Marina, Bairro nobre de Búzios-Rj.


Pois bem, o artigo 225 da Constituição Federal, assegura o direito que todos temos ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum ao povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e as futuras gerações.


Certamente jogar esgoto in natura no canal da Marina ou em qualquer outro lugar é crime ambiental, tutelado em leis específicas, como às de crime ambiental (9.605/98) Lei da Ação Civil Pública (Lei 7.347/85) e da Política Nacional do Meio Ambiente, (Lei 9.638/81).


Agora como já falamos na matéria anterior para a Prolagos fazer isso em qualquer Município (e já vem fazendo há anos) de sua atuação é preciso concordância ou anuência das autoridades locais, órgãos ambientais e ONGs ambientais; “parceiros envolvidos”.


Também tem alguma dúvida sobre isso? Então veja por si mesmo o que diz quanto a isso a própria Prolagos no item 03, segundo parágrafo:



Ou seja, o pior cego (a) é aquele (a) que se recusa ver e, enquanto isso, eles que foram eleitos para representar os mais justos anseios da população, vão assinando com a Prolagos, dizendo e desdizendo-se.


No meio de todo este imbróglio falam que a atual insatisfação é tudo trama política. De fato é, até porque se não fosse, Búzios não correria o risco iminente de se tornar o novo Privadão da Região dos Lagos-Rj.







2 comentários:

Anônimo disse...

gostei muito deste relato valeu nosso biólogo.josias.

Carlos Simas disse...

Muito obrigado amigo Josias. Um grande abraço!