quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Mosca Doméstica.




      Crédito da Foto: FIOCRUZ



Nome popular: Mosca doméstica 
Nome científico: Musca domestica

Por:Ivana Silva/FIOCRUZ


Características da espécie


É a espécie mais importante, pois além de ser extremamente bem adaptada ao ambiente, é bastante incômoda e pode transmitir mais de uma centena de organismos patogênicos (vírus, bactérias, protozoários, helmintos) para o homem e animais domésticos.


Biologia da espécie


Os ovos deste inseto são brancos e alongados, medindo cerca de menos de 1 mm. São colocados massas de 75 a 170 ovos de cada vez, num total de 500 a 800, depositados em qualquer matéria orgânica fermentável como lixo, fezes, etc.


As fêmeas colocam os ovos em criadouros localizando-os através de órgãos do olfato existentes nas antenas e se posicionam de tal forma que os ovos são colocados nos locais mais úmidos e sombreados. Em 24 horas, as larvas de primeiro estágio eclodem, passando por dois outros estágios, durando de cinco a oito dias, mas, durante o inverno, o desenvolvimento larvar pode prolongar-se por várias semanas.


No primeiro estágio, ela mede cerca de 2 mm de comprimento e no terceiro de 10 a 14 mm. As larvas são de coloração clara e movimentam-se ativamente. Alimentam-se de substâncias solubilizadas e principalmente de bactérias que melhora o desenvolvimento desse inseto. Alimentam-se constantemente, digerindo uma grande variedade de substâncias animais e vegetais, principalmente as açucaradas. Antes de ingerir o alimento, depositam uma gota de saliva sobre o mesmo para dissolvê-lo e em seguida o sugam.
As moscas adultas vivem cerca de 30 dias. Este inseto é atraído por diferentes odores chegando a voar cerca de 1.000 a 3.000 m em 24 horas.


Transmissão de doenças


As moscas são transmissores de doenças ao ser humano. Após terem pousado sobre fezes, feridas e animais mortos, elas podem pousar sobre o alimento humano e contaminá-lo, depositando sobre este as bactérias contidas na sua saliva, patas e cerdas do seu corpo.

Texto: Ivana Silva
Revisão: Cássia Nunes


Nossa opinião:

Como as moscas têm o hábito de regurgitar o alimento ingerido, a transmissão de doenças é facilitada, tanto por este fenômeno, quanto pela própria dispersão passiva de microrganismos aderidos ao seu corpo e, sobretudo pelas patas do inseto.

Portanto é fundamental a consciência de que alimentos, vasilhames domésticos e, qualquer material orgânico deve ser devidamente protegido delas, sob forte risco de contaminação.

Em casos específicos é aconselhável um plano de manejo da mosca doméstica, que leve em conta o controle integrado de pragas ( MIP ).


Biólogo Ambiental Carlos Simas



Fonte da matéria: FIOCRUZ


Gostou deste artigo? Então compartilhe e comente nas Redes Sociais.


Curta nossa Fan Page no Facebook:

Nenhum comentário: