sábado, 1 de agosto de 2015

Cupins - Insetos Sociais Altamente Organizados.




























Crédito da Imagem: Fiocruz


Os problemas com cupins vêm crescendo e causando prejuízos cada vez maiores em diversas áreas urbanas no Brasil e no mundo. 

Forma Social e Organização:

Os cupins vivem em sociedade altamente eficiente e organizada. Infelizmente a organização e eficiência desses insetos sociais pode causar, e de fato vêm causando fortes danos ao patrimônio material e cultural humano.

A rainha e o rei são os mais importantes membros da colônia. Suas únicas funções são o acasalamento e a postura de ovos. Outros cupins alimentam e cuidam da rainha, que pode viver de 25 a 50 anos.

Milhares de ovos são produzidos anualmente pela rainha e são cuidados pelos operários. Dos ovos nascem as ninfas, que são alimentadas por substância regurgitada pelos operários (trofaloxia), estes estéreis e cegos, buscam material celulósico para alimentar toda a colônia, destruindo assim, tudo em forma de madeira que possam encontrar pelo caminho.

Biologia da Espécie:

Alguns cuidam da rainha, ovos, soldados e ninfas. Os soldados no estágio final apresentam uma cabeça grande com fortes mandíbulas. São geneticamente programados para proteger a colônia contra o ataque de predadores externos como as formigas.

O reprodutor de substituição pode substituir a rainha em caso de morte. A revoada acontece quando os reprodutores criam asas e deixam a colônia. Operários os ajudam a percorrer os túneis até a saída. 

Não conseguindo voar grandes espaços por muito tempo eles caem rapidamente ao solo, arrancando suas asas e formando casais.
Este recém-formado casal encontram um local apropriado para formar sua própria colônia como rei e rainha.


O ciclo de vida dos cupins se repete quando a rainha começa a postura de ovos que se tornarão ninfas, operários, soldados ou reprodutores.

Controle da Espécie:

Sempre que possível evitar o acúmulo de sobras de madeira em locais quente/úmido, sobretudo guardados em locais junto a residência/prédio.
Vistoria constante de locais escondidos, de difícil acesso, como sótãos, porões, etc. Evitar também nesses locais vazamentos em canalizações.

E, finalmente, tratando-se de infestação confirmada de Cupins, devido sua alta complexibilidade, para o devido controle, requer sempre a intervenção de profissional habilitado. 

Fonte da Matéria: 

Fiocruz/Biólogo Ambiental Carlos Simas


Gostou do artigo? Então curta nossa página no Facebook: